A lista Negra

Quem nunca pensou em sua própria lista de desafetos? Bom, pensar é algo solitário, mas quando se pensa em voz alta, dividimos nossos sentimentos e jamais sabemos qual a reação das pessoas que nos amam diante dos nossos problemas.
E isso foi o que ocorreu com Valerie. Ela e o namorado Nick tinham suas listas. Ela sempre compartilhando todo o sofrimento com ele. Humilhações, resiliência exacerbada, mais humilhações. O que ela não esperava é que Nick poderia transformar seu sonho de se livrar de algumas pessoas em pesadelo. Um dia, ele simplesmente surta. Dispara a arma. Pronto. Tudo acabado.
Mas, como explicar que ela fez uma lista de pessoas que gostaria de ver mortas, mas não queria de verdade que essas pessoas morressem?
Sinceramente, esse livro me deixou pensativa e acho que estou na ressaca literária até hoje. Alguns pontos chamaram demais minha atenção, levando-me à uma reflexão profunda:
1 – Cuidado com o que desejamos - Sim, pode parecer algo peculiar, clichê, mas é fato. Quando você diz: “Eu quero que fulano morra” será que quer mesmo? Se não, é melhor tomar cuidado, porque a verdade é que se algo acontecer você certamente não estará preparado para arcar com as consequências, muito menos com a culpa.
2 – Vão te julgar – Não interessa o que você sente. Pouco importa o que te fizeram. Quando acontece uma tragédia, você vai virar a pessoa mais estranha do mundo. Vão te culpar, vão te julgar. E se for algo muito abrangente, a imprensa também não vai se preocupar com seus sentimentos antes de te detonar. Nem as pessoas.
3 – Cuidado com a forma como você trata os outros – Pra mim, esse é o ponto chave do livro. Não que eu ache que deva-se sair por aí dando um tiro em todos que tratam outros com desprezo, lógico que não! Paz e amor, galera! Mas a verdade é que você jamais saberá o que seus gestos e suas palavras podem provocar em alguém. Toda ação tem uma reação. O vizinho é estranho? Ok, limite-se a dar um bom dia, ou simplesmente acene. O colega de classe é esquisito? Procure compreender que o que é esdrúxulo pra você é normal para outros. Você também pode ser pra lá estranho em outros grupinhos. É preciso respeitar as pessoas como elas são. Se ninguém tratasse Nick e Valerie com tanto desprezo, se não houvesse o bullyng, talvez nada teria acontecido.
 A Lista Negra é atual, a leitura flui de forma deliciosa. Confesso que chorei muito no final. A autora soube com destreza capturar a alma humana, tão boa em julgamentos e também, ao mesmo tempo, tão capaz de compreender quando quer.
Super indico esse livro. E se ler, faça também uma reflexão sobre seus atos, as consequências.




“Em alguns dias, chegar ao fim do dia é uma grande vitória.”
“O tempo nunca acaba. Como sempre há tempo para a dor, também sempre há tempo para a cura. É claro que há.”





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde