Eu faço poesia

Eu faço poesia
Como uma criança desenha uma casa com chaminé
E pinta rabiscando o desenho que ela criou.

Eu faço poesia
Como aquela pessoa que olha pros livros dos jornaleiros
Mas não sabe ler.

Eu faço poesia
Como um adolescente sonhador
E acredita que nada é impossível.

Eu faço poesia
Como o cavalo selvagem capturado numa armadilha
Se debatendo contra a cerca.

Eu faço poesia
Como a árvore que o vento balança forte no alto do morro
E, no entanto, ela nunca cede.

Eu faço poesia
Mesmo sabendo que quase ninguém se interessa
E nem procura saber.

Eu faço poesia
Apesar do mundo está se aquecendo e se tornando
Um lugar difícil para se viver.

Eu faço poesia
Pois quem sabe a palavra possa se tornar concreta
E modificar um pouco a realidade do mundo.

Eu faço poesia
Não porque gosto, quero ou sinta prazer
Faço poesia porque ela me escolheu para escrever.

Eu faço poesia
Porque o sentimento não dá trégua e exige
Eu preciso sair de você.

Elayne Amorim

do livro “Traduções Poéticas”




Imensa a alegria em colaborar com o blog “Palavras ao Vento” compartilhando poesia. A poesia talvez seja como uma topada no asfalto quando estamos com pressa. Parar um pouco. Reclamar a beleza da vida em meio à nebulosidade da rotina, do cansaço, da descrença. A poesia é o algo a mais que cada um traz em si de alguma maneira: alguns fazem poesia cozinhando, outros ao cantar, alguns ao treinar um cavalo, outros ao fazer um incrível projeto arquitetônico... Admirar-se é o primeiro passo para sentir a poesia.
Divido hoje, com vocês, uma poesia minha que fala desse próprio ato: o fazer poesia. Para mim, um grande mistério diante do qual sempre me encanto, e me espanto.
Para quem não me conhece, sou amante dos cavalos, dos lobos, da natureza. Adoro a amplidão do mar e a altitude das serras. Adoro um livro... um romance, uma história, uma poesia. Adoro uma boa conversa. Tenho meus momentos de tempestade, mas eu amo uma linda tarde de céu azul.
No decorrer das postagens trarei os mais diversos poemas também dos mais diversos poetas. Aprecie, se escandalize, admire, se emocione... Farte-se! Mas vai ver que não se dará jamais por satisfeito.




Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde