O que aconteceu com Emma


Tá aí um livro que me deixou várias páginas (na verdade, a maioria delas) com o coração apertado.
Até aonde uma criança vai para proteger a figura materna?
E a forma como tratamos as crianças, falando como se elas não entendesse que estamos falando exatamente delas...


“Não sou surda, viu? Sou só uma criança. Não sou diferente ou maluquinha”
(pág 4)



“A mamãe está falando com a voz que usa com adultos. Que é falsa, mas eles não sabem disso.” (Pág 41)



E até aonde uma mãe machucada pode machucar a própria filha? Ninguém é uma pessoa má de graça; isso é fato. Pessoas vazias é porque foram esvaziadas por alguém ou algo.
Eu sempre digo que tenho medo de pessoas infelizes e magoadas. Mas sinceramente...no livro não dá pra ter “peninha”.  São descrições tão fortes, que não consegui sequer chorar...o coração só apertava, porque, apesar de ficção, sabemos que é algo muito real.
Tudo gira em torno de o que aconteceu com Emma, mas o livro não para por aí...não é apenas uma narrativa incessante de onde está uma pessoa. Pra falar a verdade, em alguns momentos do livro eu nem pensava em Emma...em outros momentos, minha mente viajou sobre o que teria acontecido à ela.
O livro prende, a vontade descobrir o desenrolar da história é forte.
E principalmente, a vontade descobrir o que aconteceu com Emma. Fechei o livro com leveza, mas ainda com o coração doendo ao lembrar de alguns trechos.

Indicado!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar