Arrelia e liberdade



Arrelia.
Outro dia usei essa palavra num texto meu, nem sei como me lembrei dela. Acho que minha vó a usava. Sei lá, lembrança vaga. “Gastura”.
Mas “arrelia” parece uma palavra extrovertida, tem um som aberto, embora arranhado. Às vezes a poesia me causa arrelia: fica ali uma coisa pra sair do peito, falar algo pressionado nas artérias.
Desde ontem estava com um tema na minha cabeça: liberdade. Tentei escrever um poema sobre ela, mas a intensidade fora tanta que o verso minguou. Aí veio a arrelia, a coisa ainda está aqui, presa.
Andei passeando pela internet e me deparei com um poeta que não conhecia, mas apreciei seus poemas e, olha só! vieram falar de liberdade.
Coincidência ou não, encontrei os mesmos poemas dele em outro site em que fazia outra pesquisa, aí a coisa me encucou. Trouxe para compartilhar com vocês.
Bem, é tão bom começarmos a semana com palavras poéticas, imagens de liberdade, sentimentos positivos – como precisamos desses sentimentos positivos!

Uma ótima semana a todos vocês, leitores e amigos! 

LIBERDADE – a palavra continua na minha cabeça, me causando uma arrelia danada!

“Deus É Simplesmente Deus”

Deus nem é negro nem branco
Deus simplesmente é Deus
Deus é todas as cores do arco-íris juntas
Deus é cada coisa do Universo
Deus é tudo ao mesmo tempo
Deus é a maravilhosa diversidade
Deus é magia e imaginação
Deus é abstração e a realidade plenas.
Deus somos eu e tu
Deus é o vento e a água
Deus é a terra e fogo
Deus é o Sol e as Estrelas
Deus é o Pensamento e a Alma
Deus é o corpo e o Ser
Deus é a Eternidade
Deus é a Mãe e o Pai
Deus é o Céu e Existência
Deus é as trevas e a Luz
Deus é tudo o que é visto e visualizado
Deus é o meio e a continuidade
Deus é a Vida e o amor que temos por ela
Deus é a sensibilidade e a arte de aprimorar
Deus é a inspiração e a criatividade
Deus é o invisível feito visível
Deus é a matéria prima em evolução
Deus é a busca constante pela perfeição
Deus é Paz Profunda e reflexão
Deus é Juízo sensato e consciente Paixão
Deus é equilíbrio e Inteligência
Deus é a infinita Eternidade…

Manuel de Sousa

Pelo que descobri – ainda muito pouco, Manuel de Sousa é um poeta angolano, muito atuante na internet através de releases que usa para difundir seus poemas e textos de sentido crítico e social.


“Incomum Liberdade Espiritual Comum”

Não preciso de chefes
Não necessito de comandantes
Abdico de orientadores impostos

Quero respirar o ar fresco da liberdade de pensamento
Quero caminhar sem barricadas ou entraves artificiais
Desejo ser um Ser pleno e sem livre-arbítrios obrigatórios
Desejo seguir o regime do pré-destino determinado
Apetece-me pôr os pés nas marcas preconcebidas
Apetece-me ir atrás conscientemente da Consciência Cósmica
  
Quero ser iluminado por todos os raios de Sol
Quero que a clareza da Luz me penetre o cérebro
Desejo deixar de ser servo físico da mentalidade materialista
Desejo acabar com o efeito imitativo do papagaio robô
Apetece-me correr pelos campos e pelo Interior em paz
Apetece-me observar todos os detalhes e símbolos da Vida

Quero passar a servir a Humanidade sem ser servil contudo
Quero contribuir para a evolução do coletivo comunitário
Desejo perceber e entender a generalidade dos processos existenciais
Desejo estar sempre a aprender e a descobrir novos conceitos
Apetece-me saborear com prazer o verdadeiro sabor das frutas silvestres
Apetece-me sentir o bom odor das flores do campo ou dos jardins

Posso tudo fazer sem chefes
Posso andar em ordem sem comandantes
Desprezo a usual filosofia educativa da subserviência
Viva a liberdade de ver, ouvir, sentir e de constatar… a fobia do Conhecimento…

 Escrito em Luanda, Angola, a 28 de Maio de 2007, em Homenagem a todos aqueles que seguem pelo Mundo, a forma e a maneira de estar conscientes de/da Vida…, primando/pautando e encarreirando seus passos e comportamento pela via da sensatez e pela ordem…



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar