Resenha - Tribo do Amor

.


Intensidade à flor da pele
Quando peguei o livro Tribo do Amor, já sabia que certamente seria impactada com uma chuva de emoções. Claro que a intensidade de Pit Larah iria ser refletida nessa obra com um misto explosão de sentimentos de menina, mulher e mãe dedicada.
O livro fala de Samantha, uma jovem que relata com destreza e resiliência sentimentos de uma fase em que a vida é pura ebulição: adolescência.
Com uma linguagem jovem e deliciosa, a autora nos remete ao incrível universo aonde sentimentos e alma se fundem para contar uma história envolvente e de incrível acessibilidade ao coração. Durante a leitura, chorei, sorri, vibrei, torci. Em alguns momentos, me identifiquei, tive a nítida sensação de que era eu a viver aquela história. Em outros momentos senti um nó na garganta, algo peculiar de quem sente vontade segurar a personagem no colo.
O universo de Samantha é simples e complexo. Tem a leveza que só a maturidade traz, em conjunto com a intensidade que a adolescência permite. O livro traz consigo uma introspecção de tudo o que somos, de tudo o que fomos. Borboletas no estômago é para os fracos; essa garota nos faz ter águias no cérebro, tamanha é a ousadia que a ampara.
A história me deu uma viagem, me levou a lugares escondidinhos dentro de mim, em que eu respirava e podia sentir o cheiro dos perfumes que usei, dos lugares aonde estive. Ao terminar, impossível não sentir a liberdade de forma crua, um amor livre e grandioso invadindo cada pedaço do espírito. A forma livre de Samantha encarar a vida, os impulsos de amor requinte de crueldade, mostra o quanto somos falhos e exatamente por isso, faz com que queiramos sair abraçando o mundo. Compreensão, perdão. Naturalidade ao encarar a vida.
A última página vem carregada de lágrimas. Mas não de tristeza; me senti invadida com uma emoção sem palavras para descrever. Sentimento de plenitude, alívio de bagagem, missão cumprida com um universo aos meus pés.
Apesar de não ser um livro de auto ajuda, eu ouso dizer que a autora consegue trazer à tona segredos nunca pensados, e como uma varinha de condão, traz Samantha para uma faxina interior, transformando nossos fantasmas em superação, evaporando-os da alma até ficarmos livres de qualquer coisa que nos impeça de viver a plenitude.
Leitura fácil e pura. Samantha vai mudar a vida e a maneira de encararmos nosso passado.
E assim, a menina cresce, sem perder a sutileza de ser humana, com um toque especial do divino.




Comentários

  1. Perfeito Nivia...
    E ressalto lembrar de seu comentário tbm no dia do encontro,sobre adolescência...que não é nada fácil!
    Muito bom tbm.
    Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roseane, o livro é inspirador. Impossível não falar dele com excelência. Bjs e obrigada pelo carinho <3

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar