Mulher

Qual é o dia delas? 
A minha Casa é guardiã do meu corpo
E protetora de todas minhas ardências.
E transmuta em palavra
Paixão e veemência 

Hilda Hilst


Lua Adversa
Tenho fases, como a lua. 
Fases de andar escondida, 
fases de vir para a rua... 
Perdição da minha vida! 
Perdição da vida minha! 
Tenho fases de ser tua, 
tenho outras de ser sozinha.

 Cecília Meireles


Não te deixes destruir…
Ajuntando novas pedras
e construindo novos poemas.


Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.


Aninha e suas pedras  - CORA CORALINA

Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.


Com licença poética
Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

Adélia Prado


Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar!E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...


Florbela Espanca


Ela caminha descalço. Ela acorda cedo e sai para trabalhar deixando os pensamentos nas almas dos filhos e quando está em casa nem sempre cem por cento de sua dedicação: ela tem que se dividir entre a mãe e a profissional. Ela cavalga, ela compete e estar ao vento é o mais importante prêmio. Ela faz almoço e bebe uma cerveja enquanto o computador sobre a mesa a chama. Ela tem hora marcada para o cabelo, mas às vezes se perde na imensidão do seu mundo. Ela tem o dom de ver tudo a sua volta e concentrar-se em três, quatro tarefas ao mesmo tempo. Ela se distrai. Ela viaja. Ela se apaixona. Ela sonha com um grande amor e pode amar de todas as maneiras. Ela tem uma enxada na mão, mas se consegue vê-la de unhas feitas. Ela usa tatuagem. Ela escolhe não ter filhos. Ela escolhe ser dona de casa. Ela possui um corpo feito para o prazer. Ela canta. Ela é sensual, sem padrões, sem roupas, sem escovas nos cabelos: ela é a metade despudorada da natureza. Ele nem é mais; nem é menos: ela é capaz. Ela é a mulher que corre com os lobos. Ela é livre; ela sempre foi livre; ela é o espírito livre que viaja pelos tempos.
Ela é a mulher que diz sim à vida.


Um pouco de poesia para vocês – nós – mulheres. Um pouco do que eu gostaria de dizer às minhas amigas de longe e de perto; àquelas que já partiram; àquelas as quais não compreendi/compreendo bem a vivência; às do passado, às do presente; às do futuro. Qual é o nosso dia? A minha resposta é quando nós queremos que seja, é quando fazemos acontecer.
PARABÉNS, MULHERES, pelo seu dia! Mas o seu dia, o nosso dia, são todos os dias e disso nós não devemos esquecer!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar