O Primeiro telefonema do céu - Mitch Albom

               “Se não fosse pelo amor de um homem por uma mulher, que o fizeram saltar em um trem na última hora, o telefone de Bell talvez nunca tivesse conquistado o público. Depois que isso aconteceu, a vida de todos mudou para sempre.” (pág 76)
“Algumas palavras vindas do céu tinham tornado inúteis todas as palavras do mundo.” (Pág 11)
“Mesmo diante de um milagre, o coração humano pergunta: Por que não fui eu o escolhido?” (pág 72)
“As pessoas acreditarão no que escolherem acreditar.” (Pág 286)
                Um livro envolvente. Pequeno, linguagem muito gostosa e crítico.
                Vou tentar falar sem dar nenhum spoiller: 
Sully acaba de sair da prisão. O que será que ele fez?  Bom, o que importa é que junto com sua saída, telefonemas começam a acontecer na pequena e pacata cidade. Mas não são ligações comuns; parentes mortos fazem contato com os entes queridos. Será um verdadeiro milagre? Existe vida após a morte e essas pessoas estão dispostas a confirmar isso? Com as ligações, eles dizem: “Contem a todos que nós ligamos  que existe um céu esperando por vocês.”
                “Há duas versões para cada vida: a que vivemos e a que os outros contam.” (pág 150)
Sully acha que é armação. Algumas pessoas mais céticas também não se convencem tanto. O pastor e o padre da cidade não sabem o que pensar.  Mas as pessoas que recebem as ligações não tem dúvidas: é um milagre. Não tem como ser falso. A voz é a mesma dos parentes que morreram.
                “Às vezes, perguntas conseguem ser mais cruéis do que insultos.” (Pág 223)
                “Pela primeira vez na vida, Warren duvidou do tamanho da sua fé.” (pág 62)
Dá início ao comércio da fé. A cidade inteira lucra. Hotéis, lojas e restaurantes, todos lotados. Nunca a pequena loja vendeu tanto celular do modelo que recebe ligações do céu. Todos querem comprar uma casa na cidade aonde podem receber um telefonema de quem já partiu. Os crentes precisam crer que aquilo é verdade. Os céticos não sabem como provar a trapaça. Outros não querem saber se é verdade ou não; o que importa é o lucro. Não dá para voltar atrás. O que importa é que a cidade nunca prosperou tanto.
                “As pessoas fazem besteiras incríveis quando estão cansadas.” (Pág 190)
Mas Sully está particularmente incomodado. Seu filho agora vive com um celular de brinquedo, convicto de que receberá uma ligação da mãe que está no céu. Ele precisa parar toda essa loucura. E começa a investigar. Será tudo uma grande farsa? Será produto da imaginação das pessoas? Ou realmente será um milagre? Comércio e fé. Será que combinam?
                “Acho que as pessoas acreditam no que querem.” (pág 52)
A história me prendeu e a curiosidade me fez passar a noite em claro lendo. Super indico! É um livro que nos faz pensar. Me deu ressaca literária.
                “As palavras que as pessoas não pronunciam soam mais alto do que aquelas que de fato dizem.” (pág 9)
                “Não se perca dentro de si mesma.” (pág 64)
                “Alexander Bell pode ter inventado o telefone, mas nunca precisou enfrentar os efeitos peculiares desse aparelho sobre os relacionamentos humanos.” (pág  175)
                “Para quem crê, não há necessidade de prova.” (pág 267)



Comentários

  1. Nivia, se ainda não leu, leia "5 pessoas que você encontra no céu" e "A última grande lição", do mesmo autor. São muito bons! beijoos!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não li, Eliza. Dicas anotadas. Obrigada <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde