Resenha - O segundo sexo



Simone  de Beauvoir é uma intelectual francesa, que viveu entre 1908 e 1986, que foi referência do movimento feminista e que nos presenteia com títulos bastante instigantes.

Em O segundo sexo, a autora incita refletirmos sobre o que é ser mulher. Encarnar a mais pura essência da alma feminina, sem poesias, crua e realista. Bela e firme. Uma análise biológica, social, mitológica e histórica sobre o papel da mulher na sociedade. O livro incentiva a mulher a viver com plenitude sua liberdade, libertando-se de imposições sociais sobre a condição feminina.

Apesar de escrito em 1949, o livro é muito atual. O que nos faz refletir ainda mais: se um livro com essa abordagem, apesar de tantos anos ainda se mantém atual, é porque nossa sociedade está obsoleta quando o assunto é mulher.

O livro é dividido em três partes: Destino, história e mitos. Vale a pena ler a obra completa.

“Uma segunda conseqüência da inércia resignada das trabalhadoras foram os salários com que tiveram de se contentar. Foram propostas várias explicações para o fenômeno — que depende de um conjunto de fatores — de os salários femininos terem sido fixados num nível tão baixo. Não basta dizer que as necessidades das mulheres são menores do que as dos homens; isso é apenas uma justificação posterior. O mais certo é, como se viu, que as mulheres não souberam defender-se contra seus exploradores; tinham que enfrentar a concorrência das prisões que lançavam no mercado produtos fabricados sem despesa de mão-de-obra. Elas se faziam mutuamente concorrência. É preciso, ademais, observar que é no seio de uma sociedade em que subsiste a comunidade conjugai que a mulher procura emancipar-se pelo trabalho; ligada ao lar do pai e do marido, contenta-se, o mais das vezes, com trazer para casa um auxílio; trabalha fora da família mas para esta; e como não se trata, para a operária, de atender à totalidade de suas necessidades, ela é induzida a aceitar uma remuneração muito inferior à exigida por um homem. Contentando-se grande quantidade de mulheres com salários inferiores, o conjunto do salário feminino alinha-se naturalmente nesse nível que é o mais vantajoso para o empregador. “ (Pág 151 – O segundo sexo, Fatos e mitos)


“Jogos e sonhos orientam a menina para a passividade: mas ela é um ser humano antes de se tornar uma mulher; e já sabe que aceitar a si mesma como mulher é demitir-se e mutilar-se; e se a demissão é tentadora, a mutilação é odiosa.” (Pág 35 – O segundo sexo, A Experiência Vivida)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde