Encerrando o Domingo Zen

Mais um dia de gratidão em nós !!!!
Boa leitura e bom aproveitamento do que se lê.
Nem tudo são flores, são fáceis, mas as palavras que lemos ou que falamos têm de ser transformadas em ações, que pequenas sejam, mas feitas.
Um abraço verde, de árvore, pra você,
Roseane Xisto

TURISMO VERDE:
O lugar de hoje é Almirante do Cruzeiro – Valença RJ
Lugar fresquinho e com um visual da cidade lá em baixo.
Bom para namorar, para fazer um lanche com a garotada, para relaxar, ler um livro ou até mesmo para tocar um violão numa noite de luar ou estrelada.
A imaginação é com você! Aproveite o que se tem em sua cidade e desfrute – a.


ZEN NO CONHECIMENTO:
Eu sempre tenho o hábito de dizer que “o que Deus não dá a farmácia vende”. Tipo, cabelos louros, olhos azuis, corpo esbelto e por aí vai... Mas também é bom lembrar que quando nascemos viemos carregados de outras personalidades, de família, de outras vidas (acredito nisso), dos nossos antepassados. E vem junto, é claro, umas imperfeições. Na farmácia não vende tais mudanças que deveríamos “tomar”, em doses únicas ou ao longo prazo. Tem até uns remedinhos que “camuflam” uma felicidade, passageira, mas não é disso que precisamos. Precisamos tomar é consciência do porque estamos aqui, o quê precisamos melhorar em nós até mesmo para sabermos conviver com o outro. Para aprender a lidar com nossas emoções, saber lidar com imprevistos, saber quando agir, ou até calar. Aprender a ser educado, a ajudar o próximo, a olhar a nossa volta e vê que tudo que nos acontece poderia ter sido pior, e então agradecer. Isso tudo não deve - se ter uma idade certa para aprender não, é desde criança. Somos responsáveis por isso também! Principalmente quando se é criança, onde achamos que com a idade ela aprende. Não! Se aprende com exemplos, se aprende com alguém de quem gostamos, de quem cuida e se preocupa com a geração quem vem aí... Sobre tudo!
Então me recordei de um livro, um romance antigo, de adolescente, Pollyanna de Eleanor Porter. Uma leitura super suave e de um conteúdo fantástico. A menina com seus 9 anos, órfã, que passou um tempo num orfanato, vai morar com sua tia, irmã de sua mãe, rica e super rancorosa. E Pollyana ensina a todos que convivem o “o jogo do contente”. E conta sua história do porquê joga este jogo.  De tudo que nos acontece de ruim, Pollyanna vê o lado bom que se pode tirar disso. E com isso todos começam a ter as mesmas atitudes que ela, e vê que funciona, pelo menos para amenizar as dores ou sofrimentos. 
Uma leitura para seu filho (a), para seu sobrinho, seu aluno, para aquela criança vizinha ou amiga de seu filho. Uma leitura onde mostra valores imensuráveis, principalmente para a idade da adolescência. Mas não sinta – se envergonhado em você adulto ler. Tem ensinamentos que valem para qualquer idade, para qualquer circunstância. Por que o importante nessa vida toda que a gente vive, é aprender. Aprender com o outro, aprender lendo, aprender caindo, aprender sozinho.
O “lance” é aprender. Não pense que você veio na Terra a passeio, veio foi para trabalhar. Trabalhar tudo em você e no outro. Crescer, evoluir, se torna uma pessoa de bem. Melhorar, avaliar seus pontos e fazer por onde, porque o que se planta aqui, você vai colher.
Boa colheita pra você, bem verdinha, cheia de esperanças... nesse mundo louco!!!!!


CEM INICIATIVAS :
Você pode ajudar de várias maneiras...  
Uma visita ao Abrigo dos Velhos, levar flores, bichinho de estimação, kit beleza (esmaltes, pente, batom). Tudo isso com permissão dos responsáveis do local.
Você pode também encapar os livros e cadernos daquela criança que as vezes os pais não podem ou não querem.
Atravessar alguém nas ruas, isso é fácil, mas ajuda tanto...
E bater um papo com alguém desconhecido na praça... sentar e falar, sorrir, trocar experiências. Eu sempre falo também que Deus nos coloca em lugares certos.
Doar brinquedos, aqueles tantos que as vezes a criança tem e nem brinca mais.
Contar histórias para as crianças, num parque ou numa creche, ou em casa.
Levar um doce ou algo bem gostoso para aquela vizinha que está adoentada ou depressiva.
Socorrer a um animal.
 No seu local de trabalho, fazer a sua tarefa bem feita. É a sua função, pois ela está dentro da roda que gira, onde cada um depende do outro.    

Tem tanta coisa...não vou dizer pra você sair por aí querendo salvar o mundo inteiro, mas uma pequena ajuda já é necessário para iluminar alguém e a si mesmo. 
Ser útil nos enobrece!
Você tem que ter iniciativa, pronto, já é tudo.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde