Dica de leitura: As lembranças de Alice - Liane Moriarty


Imagine que você cai em uma inocente aula de step e de repente, nada mais faz sentido?
Pense em dormir, e ao acordar, perceber que se passaram 10 anos de sua vida, sem que você perceba que viveu esse período?

É o que acontece com Alice. Ela acredita estar vivendo um período de sua vida e na verdade, não está. Ela olha atentamente para pessoas, objetos, lugares e fotos. Mas nada faz sentido!

                “Todos parecem felizes em fotos.” (pág 190)

Esse é um livro que poderia ser um grande drama e transforma-se em um ótimo motivo de reflexão. O que estamos vivendo? Algumas coisas seria mais proveitoso se fossem esquecidas, e pudéssemos recomeçar do zero. Sem memórias, com direito a reescrever parte de nossa história de forma diferente. Sentir novamente emoções já esquecidas.

                “É fácil achar que o campo minado não é tão ruim, quando você está segura, olhando os outros explodindo.” (pág 170)

É intenso e a todo momento sentimos um vazio aliado à maravilhosa idéia de segunda chance.

Alice acredita, após o acidente, que está em 1998, apaixonadíssima pelo marido, grávida do primeiro filho, feliz e com 29 anos. E de repente, se depara com a realidade que é muito diferente: Ela na verdade tem 39 anos, três filhos e está em processo de divórcio. Além de ter uma relação conturbada com pessoas que ama.
Ela é obrigada a se deparar com uma mulher que não sabe se gosta muito: ela mesma.

                “Dormir parece algo impossível e tolo, que só as outras pessoas fazem.” (pág 94)

Narrado na terceira pessoa e alternado com a visão de “o dever de casa de Elisabeth para o Dr.Hodges”, o livro é gostoso de ler. Com a pesada leveza de percebermos o quanto podemos mudar sem perceber. É fácil perceber quando pessoas conhecidas mudam; o difícil é fazer uma introspecção e descobrir o quanto nós mesmos mudamos. E o pior: sem sabermos quando nem como mudanças aconteceram. E pior ainda: Notar que nem sempre percebemos que nos tornamos uma pessoa muito diferente de quem gostaríamos de ser.

As lembranças de Alice levam a uma introspecção maravilhosa! Leitura compulsória para reflexão. Lindo livro!

                “Afinal, eu era  uma  mulher que costumava começar cada dia com uma frase de Leonardo da Vinci: Obstáculos não podem me destruir.  Cada obstáculo conduz a uma determinação maior.” (Pág 147)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde