II Bienal de Volta Redonda

Hoje falaremos da II Bienal de Volta Redonda. O evento ocorreu nos dias 07, 08, 09 e 10 de maio e, segundo o Instituto Dagaz (quem organizou o evento), passaram por lá cerca de 22 mil pessoas. 
A infraestrutura estava excelente! A área de alimentação possuía muita variedade e preços acessíveis. Os estandes estavam equipados com produtos a preços populares. 
A área do escritor era aconchegante e confortável e a Bienal possuiu uma grade variada, principalmente para as crianças. 

"Além da área de estandes, a Bienal contou com 03 palcos, distribuídos em espaços diferenciados, onde ocorreram recitais de poesia, apresentações musicais de bandas, grupos e corais, além de contação de história, palestras, oficinas e seminários.
O público das mesas e das palestras foi algo em torno de 719 pessoas. Outro espaço que deixou as crianças animadas e interessadas, foi a sala de cinema que contou com 40 exibições de curta metragens com diversos temas
Cerca de 42 escolas da região de Volta Redonda, Barra Mansa, Piraí, Pinheiral, Quatis, Barra do Piraí estiveram na Bienal, levando seus alunos para conhecerem e interagirem com os espaços dedicados para eles. 
De acordo com Marinêz Fernandes, Presidente do Instituto Dagaz, o objetivo da Bienal do Livro de Volta Redonda com certeza foi alcançado: fomentar a prática e o hábito da leitura e da escrita de forma lúdica em todas as faixas etárias. 
Foi promovido o encontro entre leitores e autores que vieram de Paraty, Rio de Janeiro, Goiás, Minas, dos coletivos como OFF FLIP de Paraty; a Korja dos Quadrinhos, Bar do Escritor e FLIZO - Feira Literária da Zona Oeste do Rio de Janeiro e, é claro, com os escritores de Volta Redonda.
As atrações culturais deram um sabor a mais na Bienal. O Coral Abassá de Omolu encantou com os cantos e as danças; os Sertanejos de Resende fecharam o palco principal com o repertório fantástico da moda de viola; Jongo de Pinheiral fez o público dançar. Tivemos ainda a dança clássica com as nossas bailarinas e com o Projeto Dança e Magia de Barra Mansa, além de uma grande roda de capoeira.
As crianças foram ao delírio com os contadores de histórias, que se revezaram durante todos os dias da Bienal, contado histórias e realizando brincadeiras, 
Atendendo à galera da cultura urbana, o evento contou com Dj Pedro Oliveira, Banda Major, Batalha de Roda de Rima e um campeonato de skate, cuja inscrição foi a doação de um livro. Sucesso total! 
No palco pocket, brilharam artistas como Daiane Landim e Banda Vitrine, Júlio Victor com Sasha Gray as wife e finalizando com o Sarau Poesia Jah, com Giglio. 
O Dagaz aproveitou a Bienal para fazer o lançamento oficial do livro “A Cozinha dos Quilombos: Sabores, Territórios e Memórias”, oferecendo uma degustação para o público de dois pratos tradicionais dos quilombos: Carne Seca com Abóbora, Frango com quiabo e, de entrada, Caldinho Quilombola. A sobremesa ficou por conta da cocada. Tudo com o toque do Chef Julio Ramos, tendo como sub-chef a amiga Iana Adour. Uma exposição com fotos inéditas do livro, assinadas pelos fotógrafos Walace Feitosa e Davy Alexandry, levou mais de 1.280 pessoas a visitarem o espaço." 
Fonte: https://www.facebook.com/bienaldolivrovr/posts/561220927353057

O Clube Literário esteve lá no sábado dia 09, representado pelas autoras Elayne Amorim, Pit Larah e Jô Coelho, que lançou seu romance "Do Fundo do Coração". 






























Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar