Sexo e poesia





Te olho e te domino no olhar
Te pego pela nuca, falo no seu ouvido
Te sinto suspirar, suar, arrepiar...

Mordo seu pescoço, beijo a sua boca
Você pede mais, puxa meu cabelo
Fica solta, rouca, louca...

Tiro sua roupa, você me consome
Te jogo na cama e você grita
Chama, fala meu nome, com fome...

Mergulho em você, e você sente
Retribui, me afoga
Quente, latente, envolvente...

Como não me entregar, como não rimar?
Se você é tentação, é poesia
E eu o que faço é te desejar
Esperar, suplicar, me afogar.

Lívya Nacarate



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar