Uma mulher sofrendo de amor


Há um bom tempo tudo poderia ter ficado no zero. Mas, como tudo em você vem de forma surpreendente, não poderia ser diferente o jeito como você fez minha vida dar um giro de 180º. Porque, definitivamente, eu estava de um jeito e hoje estou de outro.
 Não cheguei a virar o oposto, mas é inegável que mudei muito. Mudei por influência sua, para ser sua, para ficar com você e até mesmo por você (porque não!?!). Não sei se o que causou essa mudança foi ter que adivinhar as suas reações, foi a sua presença quase que obrigatória (por mim, claro) nos meus dias ou o forte sentimento que tenho por ti (ou talvez fosse as 3 coisas???).
Sei que nem deveria buscar motivos para pensar nisso... Mas a verdade é que eu busquei esses motivos quando sem querer (ou sem perceber ou sem querer perceber) me apaixonei por você. E às vezes juro que tento controlar o ciúme (que gostaria de não ter, mas tenho) e a vontade louca (porque isso me parece loucura!) que tenho de está ao seu lado.
Não pense que muitas vezes eu não pedi a Deus para não deixar esse sentimento tomar conta de mim. Eu pedi sim! Mas eu tenho livre arbítrio e só agora sei que faço bastante uso dele. Aí pensei que seria melhor, então, pedir a Deus que pudesse nesta situação, interferir nas minhas vontades e fazer aquilo que "ELE" achasse melhor (E muitas vezes me pego torcendo para que Deus não me queira longe de você...). E foi nessa hora que eu me dei conta que não posso colocar nas "mãos" de Deus o meu livre arbítrio, porque antes disso eu dei a VOCÊ!
Será que estou sendo exagerada? Talvez sim! Mas não se pode negar que você sempre escolhe tudo e eu simplesmente concordo. Concordo com o que deveria e não deveria concordar. Concordo com o certo e o errado. Com o que me faz bem e me faz mal. Poderia me impor, é verdade! Não vou ser hipócrita de dizer que não. Mas não tenho forças para dizer "não" para você. Esse é o tipo de coisa, inclusive, que jamais deveria admitir. No entanto, admito, admito porque sou fraca para esse amor todo que me consome.
Às vezes me pergunto o que anda acontecendo comigo, pois perco o meu jeito quando estou com você. Perco minhas manias, minhas vontades, meus absurdos. Sinto timidez demais, vergonha demais, medo demais, saudade demais, ansiedade demais, vontade demais e iniciativa de menos. A única coisa que permanece a minha grande insanidade. Aquela mulher que todo mundo acha bem resolvida e, de certo modo, corajosa, some quando o assunto é você. Some quando lembra que você existe. É tudo em um excesso que me deixa confusa e sem controle de mim mesma. Sem forças para lutar por mim. 
Uma pessoa muito próxima de mim disse que a sina dela é: "ter que se acostumar como destino gostar de quem não gosta dela e acreditar nas mentiras de quem finge dizer a verdade". Parei por algum tempo para pensar no que ela disse e durante alguns minutos acreditei que eu também estava fadada a isso. Nesse completo sentido. Mas depois vi que, a verdade ([aquela que vem do fundo do meu coração), é eu tenho medo de você fingir me dizer a verdade. Tenho medo de você só querer, principalmente, fingir. E não é quanto a gente, simplesmente. É quanto a tudo. Porque sinceramente não duvido que você goste de mim (ou não quero duvidar como forma de manter acesa a esperança ou a covardia) . Também não vou dizer que ama (seria forte demais para tão pouco tempo, embora no fundo eu desejasse fervorosamente por isso) e nem que esteja apaixonado (porque isso eu não acredito, mas sonho um dia ter que acreditar). Contudo, sei que no fundo você só gosta de mim do seu jeito muitas vezes torto, grosso e infantil. Um gostar da forma mais rasa da palavra e dos sentimentos. 
Você possui uma notável capacidade de seduzir através da inteligência e foi exatamente por essa capacidade que estou aqui hoje escrevendo essa carta. Já derramei algumas lágrimas (burras, eu acho), já fiquei muito chateada com você (muito mais que você pode imaginar), já pensei em criar a fórmula mágica de arrancar você da minha vida e, assim, não só acabar com as minhas neuras (que causam sempre algum sofrimento) como também ficar milionária ao resolver o problema de muitas mulheres do mundo todo. E sabe por que não fui a fundo neste projeto? Porque não resolveria te arrancar da minha vida sem ter a certeza que isso não causaria dor alguma e, muito menos, adiantaria ficar milionária se eu não pudesse mais ver o seu sorriso para mim! [Meu Deus! O que foi isso que eu acabei de dizer!?!]. Pior ainda é quando resolvo dar uma de vidente e tento adivinhar o que você sente... (que, aliás, nem a melhor vidente conseguiria te decifrar. Você é muito difícil de pensar em entender).
E foi aí que percebi que eu deveria dar mais valor as coisas boas. Pensar só no que eu sinto não está valendo à pena. Confundo-me ainda mais e em vez de aproveitar o arco-íris, vejo relâmpagos e me concentro em tentar encontrar uma forma de tudo melhorar. Não que eu deva sonhar com um mundo cor-de-rosa. De jeito nenhum! E também isso nem faz o meu gênero (ou não fazia). Não sei (ainda) lidar com essa chamada perfeição e por isso mesmo pode ter certeza que não foi isso que "sonhei" para mim (nós). Mas, a verdade é que ao me concentrar nos relâmpagos, eu chamo a tempestade, em vez de buscar o Sol.
É tão bom está contigo, dizer minhas bobeiras, falar da vida para você, tão bom quando você me beija, quando resolvemos ficar juntos, quando você me chama de certos apelidos que são coisas só sua, quando você me chama para sair, quando me faz cócegas (mesmo que também lá no fundinho eu não gosto), quando você implica comigo. Tão lindo quando eu posso estar ao seu lado e ter o seu sorriso. Como eu queria mais... Quero... 



Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar