Desafio 642 - Coisas para fazer antes de morrer



Estive pensando na lista de coisas que preciso fazer antes de morrer e não consegui passar do primeiro item, que seria, conhecer o mundo ou pelo menos a Europa. Quando me deitei para dormir, percebi que tenho sim muitas coisas que gostaria de fazer antes de morrer, mas todas elas já foram feitas. 
Então, suponhamos que eu tenha 24 horas antes de morrer. 
Eu gostaria de fazer coisas que me mostram o quanto a vida é divertida e poder partir com o gostinho dela dentro de mim. Como aquele doce gostoso que derrete na boca e preferimos não comer nada depois dele para que o sabor não se perca! Eu gostaria de prolongar os prazeres simples da minha vida, que permitem que eu me sinta tão grata por poder tê-la. 
Minha lista começaria com uma boa cavalgada em um pasto bem verdinho! Sentir o vento batendo no rosto e confundindo o ritmo da minha respiração. Ter a sensação do meu cabelo chicoteando minhas bochechas e do meu corpo mergulhando no infinito como se nada mais existisse senão a liberdade.
Depois, eu me entupiria de batata frita, Nutella, Açaí e estrogonofe de carne. Comeria pipoca caramelada, algodão doce e maçã do amor e lamberia cada dedo que estivesse melado. (em 24 horas dá para comer isso tudo)
Eu beijaria demoradamente o meu amor, sentiria seus dedos passeando pelas minhas costas e gravaria a sensação de ter seus lábios quentes encostando na minha orelha enquanto ele diz que me ama. 
Tomaria banho de cachoeira, tiraria um cochilo na rede, ouviria Rita Lee, leria os trechos do meu livro preferido e veria um filme bem triste para que eu levasse comigo a sensação de me emocionar com o irreal, mas provável! 
Eu dormiria com o beijo dos meus pais e acordaria com os abraços sufocantes das minhas filhas. 
Brincaria com o meu cachorro, 
abraçaria uma árvore 
e deitaria na grama junto com minha família, para tentar adivinhar os bichos que as nuvens estão formando no céu!
Depois disso, pode ser que eu fique quietinha para ouvir meus pensamentos e me despedir de mim mesma. 
Provavelmente eu choraria de medo e de saudade, porque não sei se sentirei qualquer coisa depois que eu partir!
E quando o momento chegar, fecharei meus olhos e me lembrarei de todas as coisas que fiz antes de morrer, de todos os rostos que enfeitaram a minha existência! E vou tentar não esquecer de nada, onde quer que eu esteja! 
Mas se eu me transformar em um nada e se depois que minhas pálpebras se beijarem, minha consciência for desativada, mesmo assim, eu terei sido eterna de alguma maneira, não apenas pelos meus escritos que ficarão por esse mundo, mas pelos pedaços de mim que deixei no coração de todos aqueles que estiveram comigo em algum momento e pelas lembranças das coisas que não apenas fiz, mas que degustei enquanto eu vivia!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar