Ipiabas Blues Jazz Festival

Olá, leitores!

Nesse final de semana aconteceu o Ipiabas Blues Jazz Festival, recheado de atrações espetaculares, bandas da região e shows internacionais, todo mundo junto e misturado, numa grande saudação ao estilo que é um dos mais importantes da música mundial.


Com tantos afazeres acadêmicos no meu itinerário de feriado, acabei não aparecendo por lá, mas fiquei “cá com meus botões de carne e osso”, a pensar sobre como a música une e reúne grupos tão distintos, pessoas de todos os lugares, festivais com vários gêneros, desde Woodstock até Lollapalooza, das festinhas acid house em garagens suburbanas dos EUA até os mega eventos de música eletrônica. Tem música para todos os gostos.



Lembrei que há pouco tempo perdemos o grande BB King e compreendi que uma cadeira dessa academia musical vai ficar vazia por um bom tempo, pois como se igualar ao mestre?



Ainda no gênero blues, destaco Nina Simone, um espetáculo sensorial para quem já conhece e um soco no estômago que vai te deixar sem ar ao ouvi-la pela primeira vez. Vale cada nota da escala musical!



E pensando nisso tudo,me veio à lembrança os nem tão distantes tempos de Santana Bar, onde a galera se reunia aos sábados e além de encontrar os amigos, conversar e tomar uns drinks, a gente podia ouvir a boa música que vinha das enormes caixas de som do Bar, selecionadas pelo próprio Santana, que sempre foi dono de um gosto musical apurado. Na minha enciclopédia particular, o substantivo saudade tem ao lado uma foto dessa época.



Então, esse recadinho que deixo aqui hoje para vocês em formato de canção é: está em casa de bobeira? Vá ao Ipiabas Blues Jazz Festival. Ou em outro festival de música que você queira curtir. A música faz coisas incríveis com a gente, espanta o mau humor, traz uma nostalgia sem igual, anima a fazer aquela faxina em casa, relaxa e convida a uma poltrona, um livro e um café... e muitas outras infindáveis e maravilhosas que nem caberiam aqui.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar