Sentimentos Cinematográficos: Adeus, Lenin!

Olá, leitores!

Dando continuidade aos Sentimentos Cinematográficos dessa semana, falarei hoje sobre o fantástico filme “Adeus, Lenin!”, produção alemã de 2003, com direção de Wolfgang Becker.



“Adeus, Lenin!”, cujo título original é "Good Bye, Lenin!", conta a história de uma típica família da então recentemente extinta RDA (República Democrática Alemã ou Alemanha Oriental) frente às mudanças ocorridas com a queda do muro de Berlim e a derrocada do socialismo, tudo isso acontecendo em meio a um drama familiar. Para poupar a vida de sua mãe, Christiane Kerner (Katrin Saß), uma mulher idealista e apoiadora do comunismo, que sai de um estado de coma após oito meses e retorna ao lar, Alex (Daniel Brühl) decide, com o apoio receoso da irmã Ariane (Maria Simon), recriar o clima socialista dentro de um quarto, fazendo de tudo para que ela não descubra que todos os ideias que ela havia defendido e lutado haviam desaparecido. Cristiane acorda do coma com a Alemanha reunificada e a vitória do regime capitalista.

O desenrolar da história garante tanto cenas de pura emoção quanto de boas gargalhadas. Não há como ficar impassível com a luta ferrenha de Alex para conseguir manter as aparências de uma situação que já não existe. O painel gigante da Coca-Cola sendo colocado no prédio exatamente em frente à janela do quarto de Christiane é sensacional!



Mas, muito mais do que uma história de amor e drama, de comédia e de costumes, “Adeus, Lenin!” nos deixa o legado de uma radiografia ampla e extremamente complexa - justamente por se relacionar de forma direta com os sentimentos e ideais - de uma geração inteira, com suas ideologias e certezas irrefutáveis, de como um sistema aparentemente sólido e democrático pôde ruir em face do poder de coisas como o consumismo e a liberdade de escolha e, principalmente, como somos afetados pelas mudanças impostas a nós pelo mundo e pela sociedade.  

É claro que muitas situações irão dificultar a empreitada de Alex e levarão Christiane aos caminhos que culminam com a verdade dos fatos.


Deixo para vocês, leitores, a deliciosa missão de descobrir esses caminhos e de se emocionarem com essa história sensacional que nos mostra, de forma divertida mas também encantadoramente dramática, o retrato vivo de toda uma época, que conhecemos somente pelos livros de história. 


Sites utilizados para pesquisa:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar