Sentimentos Cinematográficos - O Silêncio dos Inocentes


Estreando em maio de 1991, o suspense entrou na lista de filmes clássicos dos anos 90. Dirigido por Jonathan Demme, a obra original é um romance de Thomas Harris.
O filme ganhou 5 estatuetas do Oscar em 1992 e com certeza trata-se de um dos melhores filmes já realizados dessa categoria.
Com uma interpretação sedutora e perturbadora, Anthony Hopkins é Hannibal Lecter, o psiquiatra canibal que vive há 8 anos preso em um hospital psiquiátrico de segurança máxima.


Jodie Foster, também apresenta uma interpretação fascinante na pele de Clarice, uma estudando do FBI, dotada de uma história amarga e um olhar melancólico. A futura agente, precisa fazer entrevistas com Hannibal, para conseguir encontrar o novo assassino em série, chamado de Buffalo Bill, um maníaco que mata, arranca a pele de suas vítimas e deixa um casulo como marca de sua personalidade.


Através de um "quid pro quo", Clarice troca sua história de vida, pela a ajuda de Hannibal e essa relação nos coloca sob tensão a todo tempo em que os dois estão nessa entrevista perigosa e desafiante.
O poder enigmático do olhar Anthony Hopkins, faz com que fiquemos o tempo inteiro clamando pela aparição de Hannibal e desta forma, através dessa interpretação incrível e dessa personalidade sedutora do personagem, Hannibal entra para a lista dos vilões mais enigmáticos e interessantes, mesmo o espectador tendo ciência de sua doença e das atrocidades que comete. Sua astúcia e dominação psicológica nos ganha logo de cara de nos coloca hipnotizados com os 118 minutos de duração do filme.
A cena em que Clarice persegue o assassino no escuro, é uma cena eletrizante e angustiante que reforça o clima de tensão em que ficamos ao decorrer da história. E com toda razão, esta cena entra na história do cinema como uma das melhores cenas do cinema mundial!


É claro que em 2015, muitos dirão que não é tudo isso. Porém, aqueles que amam mesmo cinema, conseguirão captar a genialidade do filme. Se fizermos uma comparação com o cinema atual, veremos que evoluímos muito e que possuímos atores incríveis ainda hoje. É preciso continuar evoluindo, mas ainda precisamos nos prender nas mãos trêmulas, nos sussurros, nos silêncios e nos detalhes que transformam uma boa história em uma história genial! Não podemos nos distrair com os apelos visuais que nos sequestra da realidade e nos coloca dentro das telonas, precisamos usar toda essa tecnologia, mas continuar percebendo os detalhes. E O Silêncio dos Inocentes é isso, uma obra incrível, com atores magníficos e detalhes quem entram na nossa mente e brincam com nosso lado psicológico!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar