Sentimentos Literários: Todo Dia - David Levithan

Sinopse: Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.



 David Levithan estava num grau de criatividade, inspiração, loucura ou qualquer coisa que resulte num livro diferente, inovador e de narrativa surpreendente. É estranho o protagonista não ter um nome próprio e mais estranho ainda é não saber o que ele é: espírito, uma força do além, uma pessoa incompleta? Mas, ao mesmo tempo é bom porque podemos interpretar cada um do seu jeito, dar seu toque a história de acordo com sua criatividade, crenças, vivências, seu conhecimento de mundo.

A é muito especial. Tão especial que chega a ser estranho imaginar que algo assim possa acontecer com alguém. Por isso mesmo nem vou entrar nesse mérito, mas no livro ele é alguém sem corpo, que a cada dia vive a vida de alguém. Isso mesmo: cada dia ele assume o corpo de uma pessoa aleatória. A única coisa certa é que será alguém com a mesma idade do que ele, no momento 16 anos, mas vai independer sexo, família ou lugar de origem.

Um dia, ele assume o corpo de Justin, um garoto mal humorado, que tem problemas com os pais, não trata bem a namorada e não está nem aí para os estudos. O que A não contava é que Rhiannon, a namorada de Justin, mudaria toda a sua vida. Ao conhecê-la ele quebra suas duas regras: nunca interferir na vida da pessoa que ele assumiu e nem se envolver com as pessoas que fazem parte da vida de quem ele assumiu. Parecia simples para ele e era até se apaixonar pela garota.

Depois de ter dado a Rhiannon um dos melhores dias da sua vida, A toma a iniciativa de não querer mais se separar de sua amada e passa a fazer de tudo para se aproximar dela através das próximas pessoas que ele "encarna". E ele faz mesmo. Cada dia ele é uma pessoa diferente e cada dia ele arruma um plano para estar perto de Rhiannon e conquistá-la assim.

Até que um dia ele assume o corpo da própria Rhiannon, isso mesmo, gente, da garota que ele ama, e no dia seguinte ela se lembra de tudo e aí que o romance deles começa. Rhiannon também fica envolvida com a A e ambos procuram uma forma de ficarem juntos. No entanto, diante da situação nada convencional desse amor, ele passa por altos e baixos, dúvidas, incertezas, descrenças, lutas, mas muita vontade de ficar juntos.

Em meio a tudo isso, A fica sabendo de um cara que diz passa por esta situação e através dele conhece um reverendo que diz conseguir que ele assuma definitivamente o corpo de uma pessoa. Parece ser a solução de seus problemas e seria se A não parasse para se colocar no lugar do outro. Afinal, o que aconteceria com a outra pessoa? Ela assumiria meu lugar? Ela morreria? Quais seriam as consequências disso?

Depois de muito pensar, num ato de coragem e muito amor, ele tem uma ideia para que Rhiannon seja muito feliz, mesmo sem ele. É uma decisão difícil, pois ele acaba abrindo mão da sua amada. Porém, como não quer fazer ninguém sofrer, a decisão precisa ser tomada e ele vai adiante. Sem esquecer-se de Rhiannon, mas deixá-la da incerteza de um relacionamento incompleto.

Esse livro mostra como temos que nos colocar no lugar das pessoas, como nem sempre amar é querer as pessoas para a gente, como a vida passa muito depressa, como cada dia é mesmo um dia e é necessário vivê-los sem medo ou arrependimentos, como cada um de nós podem ser muitos e ao mesmo tem um só.

É um enredo que faz a gente pensar na nossa vida, o quanto aproveitamos, o quanto desperdiçamos, o quanto deixamos de viver, o quanto amamos. Vale muito a leitura. É uma narrativa que te prende e te faz, principalmente, enxergar a diversidade de pessoas que existem no mundo, muitas em situações muito piores do que a nossa.











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

A Noviça Rebelde