Uma paixão galopante

Amigos e leitores, ainda estou sob os efeitos da cavalgada desse fim de semana. Algo curioso acontece: quanto mais ando a cavalo, mais sinto vontade. Fica aquela sensação maravilhosa para a qual ainda não encontrei o verso ideal para traduzir. Ao lidar com eles, laços sutis de amizade vão se delineando; quanto mais os conheço, mais percebo o quão pouco sei deles; mais eu me apaixono, mais os respeito, mais quero conhecer.
Todos nós temos algum tipo de paixão que os outros não compreendem, que talvez pareça algo bobo ou louco aos olhos alheios, porém, para o apaixonado, o objeto de seu fascínio é único, é sempre novo, faz o coração acelerar... e, venhamos, paixão é bom demais!
Por isso trago a vocês nesta segunda poética alguns poemas que falam deles, de alguns dos animais mais belos e fascinantes da natureza! Uma das minhas latentes paixões!
Uma ótima semana a todos vocês que deram uma paradinha na rotina para ler um pouco de poesia! Deixe-se apaixonar, sempre!



O galope de um cavalo

O galope de um cavalo é uma dança no ar
Desejo antigo do homem de querer voar
O galope de um cavalo são patas no chão
Um desejo muito louco de decolar

Quando as patas tocam o chão
As crinas estavam no ar
A velocidade faz então
O corpo pesado flutuar
                                              
O galope de um cavalo é a verdadeira liberdade
Queria ser um cavalo somente para poder voar
Ter as patas no chão e o corpo suspenso no ar
Queria ser um cavalo selvagem...

Ficar distante da civilização
Impossível de se domesticar
Não permitir ao coração chorar
Ser um cavalo selvagem...

Viver somente para galopar
O galope do cavalo leva minha alma pro ar
Minha alma selvagem e galopante
Domesticada pelo desejo intenso de amar

Uma parte de mim se deixa domesticar
A outra parte sai para galopar com os cavalos
Eu até posso não ser um cavalo selvagem
Mas a alma não tem jeito, é galopante e indomável.

O galope de um cavalo é selvagem e belo
O galope de um cavalo é uma dança
As patas no chão, em cada galope
As crinas ao vento, o cavalo alcança
Em cada galope verdadeira liberdade
Único ser que mesmo sem asas consegue voar.
O galope de um cavalo é a minha alma no ar...



Encantamento

E o cavalo corria
corria livre pela planície eterna
com a cauda embandeirando-se pelo ar
corria
com as quatro patas no chão
as quatro patas no ar...

E o cavalo voava
voava livre pelo eterno céu azul
e o seu corpo grande se elevava pelo ar
voava
com as quatro patas ao vento
as quatro patas no chão...

Eu não sabia
mas o cavalo era encantado
e ele me encantaria
me levaria para galopar
e no seu galope eterno
estaríamos juntos a voar
ele também me encantaria...

Nunca mais humana
nunca mais animal
nunca, nunca mais
nem anjo, nem demônio.

O cavalo me encantaria
e me daria a liberdade
a verdadeira liberdade.

Como eu pudera viver a tanto tempo
nas grades dos meus pensamentos?
Como eu pudera viver, há tanto tempo,
longe dos seus encantamentos?

Nunca mais humana
nunca mais palavras
nunca, nunca mais amar
nunca mais eu.



Eu e os cavalos

I
Um cavalo solto
em meio à tarde cinzenta.
Cabelos revoltos.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - O segundo sexo

Feminismo, por Ayn Rand

Viagens literárias: Mergulho no mar